Avanço tecnológico: TRT-18 implanta Juízo 100% digital

Facebooktwitteryoutubeinstagram
Foto mostrando detalhe de uma pessoa mexendo no notebook com imagens sobrepostas ligadas ao Judiciário

Não seremos mais os mesmos depois da corrida tecnológica implementada pelo Judiciário brasileiro para garantir a prestação de serviços durante a pandemia. A Justiça do Trabalho goiana também apostou no avanço digital e apresentou boa produtividade no trabalho remoto, ao mesmo tempo em que garantiu a saúde de magistrados, servidores e dos usuários dos serviços. Nesse contexto, o TRT-18 se aprimorou e se preparou para aderir ao projeto “Juízo 100% Digital” – aprovado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em outubro de 2020, por meio da Resolução nº 345 -, que traz a possibilidade de o cidadão valer-se da tecnologia para ter acesso à Justiça sem precisar comparecer fisicamente na sede da Vara ou do Tribunal.

O Juízo 100% Digital, regulamentado pela Portaria TRT 18ª SGP/SGJ nº 896/2021, permite a prática de todos os atos processuais de forma exclusivamente eletrônica e remota com a utilização de todos os meios eletrônicos disponíveis, como o PJe, DEJT, e-mail, aplicativos de mensagens, plataformas de videoconferência, telefone e outros. 

A portaria prevê a adoção do “Juízo 100% Digital” em todas as unidades judiciárias de primeiro e segundo graus do Tribunal e abrangerá todas as fases do processo, inclusive a recursal.

Opção pelo “Juízo 100% Digital”

A escolha pelo “Juízo 100% Digital” é opcional, ou seja, é uma decisão do cidadão e deverá ser informada mediante registro no sistema PJe por ocasião do cadastro da ação. A parte demandada pode, no entanto, opor-se à opção até a contestação ou assim que for notificada para tanto. Após a contestação e até a sentença, as partes poderão retratar-se da escolha pelo “Juízo 100% Digital” uma única vez. 

O secretário-geral Judiciário, Cleber Pires, explica que enquanto não houver funcionalidade no sistema PJe, a escolha deverá ser realizada em destaque na folha de rosto da petição inicial. Ele informa que as partes também poderão aderir ao “Juízo 100% Digital” nos processos já em andamento na Justiça do Trabalho, por iniciativa própria ou quando houver despacho do juiz a manifestarem interesse.

Se todos os atos praticados no processo são digitais, isso também vale para as notificações e intimações do Ministério Público, testemunhas, terceiros interessados ou auxiliares do juízo, sendo o atendimento às partes prestado de forma remota. Quanto às audiências, estas também serão exclusivamente telepresenciais, com a utilização da plataforma de videoconferência Zoom, conforme exigência da Resolução CSJT nº 285. Vale ressaltar que as audiências e sessões serão transmitidas por meio de link acessível ao público em geral pelo sítio eletrônico do Tribunal.

Cleber Pires cita como vantagens do “Juízo 100% Digital” a eficiência com a efetiva aproximação do cidadão, a redução de despesas para o Judiciário e o usuário, que economiza com deslocamentos, e, ainda, redução na circulação de veículos, fator positivo na questão ambiental. O “Juízo 100% digital” expressa um novo modelo de trabalho, utilizando todo o potencial que a tecnologia pode fornecer ao Poder Judiciário, com significativa redução de custo e tempo, bem como aumento expressivo de eficiência, culminando na maximização do efetivo acesso à justiça.

Para os usuários que eventualmente tenham dificuldades de acessar a internet por um celular ou computador, o projeto prevê que eles podem requerer ao juízo a participação na audiência por videoconferência em sala disponibilizada pelo Poder Judiciário.

Números

Os resultados do trabalho remoto e por teleconferência ao longo de 2020 em todo o Poder Judiciário foram impressionantes, com um total de movimentos processuais realizados superior a 691,1 milhões, incluindo 15,5 milhões de sentenças e acórdãos, 23,9 milhões de decisões e 41,3 milhões de despachos, o que levou ao aumento de produtividade quando comparado aos anos anteriores.

Fabíola Villela
Comunicação Social/TRT-18

Facebooktwitter

Ficou em dúvida quanto ao significado de algum termo jurídico usado nessa matéria?
Consulte o glossário jurídico: www.trt18.jus.br/portal/noticias/imprensa/glossario-juridico/
Esta matéria tem cunho meramente informativo, sem caráter oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Coordenadoria de Comunicação Social
Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região
comunicacao@trt18.jus.br

Esta entrada foi publicada em Notícias, TRT18. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.