13ª Vara do Trabalho de Goiânia ganha certificado por se destacar no ranking do Igest

Os dados colhidos junto ao Igest ainda revelaram que a 13ª VT de Goiânia obteve o 1º lugar entre 25 Varas do Trabalho existentes na Região dentro da mesma movimentação processual e o 1º lugar entre as 18 Varas do Trabalho de Goiânia com a mesma movimentação processual

A 13ª Vara do Trabalho de Goiânia obteve o 16ª lugar no ranking do Igest – Índice Nacional de Gestão do Desempenho da Justiça do Trabalho, entre 378 Varas do Trabalho existentes no País dentro da mesma movimentação processual, e recebeu do desembargador-corregedor, Daniel Viana, um certificado de reconhecimento pelo excelente desempenho avaliado em 17 índices extraídos do eGestão (Sistema de Gerenciamento de Informações Administrativas e Judiciárias da Justiça do Trabalho). O certificado foi entregue durante o encerramento da correição ordinária realizada na unidade no dia 8 de abril.

Na ocasião, o desembargador-corregedor ressaltou que a 13ª VT tem resultados “mais que satisfatórios” em todos os números. Além disso, obteve reconhecimento do público externo pelo bom atendimento prestado aos usuários e pelos prazos exíguos na entrega da prestação jurisdicional.

“A 13ª VT ocupa lugar de destaque, é um modelo a ser seguido na 18ª Região, além do bom ambiente de trabalho e bom clima organizacional. Nesse sentido, pensamos em uma forma de reconhecer isso com a entrega do certificado”, destacou o desembargador.

Números

A 13ª VT apresentou o menor estoque de processos do TRT18 com prazo médio da entrega da prestação jurisdicional de 30 dias, nos processos submetidos ao rito sumaríssimo e 97 dias, nas ações de rito ordinário, prazos bem abaixo do limite fixado pela Corregedoria Regional, de 90 e 180 dias, respectivamente. Segundo informou o desembargador-corregedor, o estoque de processos é tão baixo que impossibilitou à unidade alcançar algumas metas nacionais do CNJ e conquistar o Selo Metas CNJ 2018 na categoria Diamante, “embora mais que merecido”.

O juiz titular da unidade, Luciano Crispim, agradeceu a homenagem recebida e ressaltou a harmonia na convivência entre servidores e magistrados na VT. “Foi uma grata surpresa receber esse certificado como reconhecimento do bom trabalho que prestamos”, disse.

A única recomendação feita pelo corregedor aos magistrados é que prolatem sentenças líquidas, procedimento importante para agilizar a fase de execução.

Setor de Imprensa/CCS

Esta entrada foi publicada em Notícias, TRT18 e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.