TRT define segunda-feira a empresa que irá fazer a vistoria do Fórum Trabalhista de Goiânia. Edifício não apresenta riscos conforme constata engenheiro do Sinjufego

Laudo libera uso do Fórum Trabalhista de GoIãnia

Laudo libera uso do Fórum Trabalhista de GoIãnia

Na próxima segunda-feira, o TRT irá concluir o processo de contratação emergencial de empresa destinada à realização de nova avaliação estrutural da edificação do Fórum Trabalhista de Goiânia. Até o momento já foram apresentadas três propostas. Contudo, o Tribunal está aguardando resposta de outras empresas interessadas, o que deve acontecer no início da semana.

A presidente do TRT, desembargadora Elza Silveira, também se reunirá com a diretoria do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA) na próxima segunda-feira, 30/9, às 15 horas, quando formalizará o convite à entidade para que ela acompanhe a vistoria que será realizada no prédio.

No intuito de dar total transparência às ações que envolvem a questão, a Administração do Tribunal entregou ao Sinjufego o laudo da vistoria realizada no ano passado e o engenheiro do TRT, Crebilon Filho, recebeu na última quarta-feira, 25/9, os diretores da entidade sindical, que vieram acompanhados do engenheiro civil Fernando Gomes, para verificar as condições da estrutura do edifício. Segundo matéria publicada no site do Sinjufego, o engenheiro contratado pelo sindicato não constatou nenhum problema que coloque em risco a edificação.

Ainda, com o objetivo de tranquilizar as pessoas sobre a segurança do edifício, a Administração divulgará todos os passos que resultados apresentados pelos especialistas que avaliarão a estrutura da edificação.

Prédio não oferece risco

Conforme noticiado na matéria, o engenheiro Fernando Gomes explica que o edifício do Fórum Trabalhista de Goiânia foi construído com estrutura metálica, concreto e vidro – materiais com variações de temperatura e dilatações térmicas diferentes – particularidades que acabam causando algumas “patologias”, que, segundo ele, inicialmente assustam as pessoas, mas que podem ser tecnicamente trabalhadas e resolvidas.

O profissional destacou, ainda, que algumas movimentações são previsíveis em imóveis recentes com estruturas semelhantes à do Fórum Trabalhista e que em Goiânia não há tradição de uso de estruturas metálicas de grande porte já que o custo é mais alto.

Núcleo de Comunicação Social

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.