Correição 2019: VT de Caldas Novas se destaca por ações de gestão ambiental

Desembargador-corregedor, Daniel Viana, com a equipe da VT de Caldas Novas

Um dos destaques da Correição ordinária realizada na semana passada na Vara do Trabalho de Caldas Novas foram as ações da equipe da unidade em gestão ambiental, com a redução no consumo de água, energia e impressão de documentos. A VT de Caldas Novas também se sobressaiu por haver cumprido seis das sete metas do CNJ para 2018.

O desembargador-corregedor Daniel Viana parabenizou os magistrados e servidores pelo desempenho obtido e ponderou que a unidade ficou bem perto de cumprir as sete metas, tendo alcançado 99,7% do cumprimento da meta 3. Daniel Viana estimulou a equipe para que continue se empenhando no cumprimento das metas do CNJ para este ano.

Desembargador Daniel Viana com os advogados que atual na jurisdição de Caldas

A Vara do Trabalho de Caldas Novas ainda foi destaque na pesquisa de satisfação dos usuários realizada no ano passado. Os usuários deram boas notas à unidade nos quesitos “cordialidade no atendimento”, “clareza e precisão das informações prestadas pelos servidores”, e “rapidez e facilidade de acesso às informações”. O desembargador Daniel Viana afirmou que pôde comprovar essas características durante a visita correicional.

Números e prazos

A VT de Caldas Novas foi uma das seis unidades do TRT de Goiás que não registrou queda na demanda processual após a Reforma Trabalhista. Sua movimentação em 2018 teve um ligeiro aumento de 0,4% (6 processos a mais) em relação ao exercício de 2017. No ano passado, a unidade recebeu 1685 novas ações trabalhistas.

Com o juiz Juliano Braga

Daniel Viana registrou que a produtividade do Juízo de Caldas Novas cresceu consideravelmente em 2018, alcançando o percentual de 110%. No ano passado, a unidade iniciou 499 execuções e baixou 509 processos que tramitavam na fase de execução, reduzindo consequentemente o seu estoque de processos.

Já com relação ao prazo médio entre o ajuizamento da ação e a prolação da sentença, o relatório de Correição apontou que nos processos submetidos ao rito sumaríssimo esse prazo foi de 81 dias, abaixo do limite fixado pela Corregedoria Regional (90 dias). Quanto aos processos submetidos ao rito ordinário, no entanto, esse prazo foi de 200 dias, um pouco acima do prazo médio estipulado pela Corregedoria Regional, que é de 180 dias.

Em conversa reservada com os servidores

Em nível nacional, o Índice Nacional de Gestão de Desempenho da Justiça do Trabalho (IGEST) apurou que Vara do Trabalho de Caldas Novas ocupa a posição 164ª dentre as 616 Varas do Trabalho existentes no país e 15ª posição em Goiás. Esse índice sintetiza dados referentes ao acervo, celeridade, produtividade e taxa de congestionamento em relação à força de trabalho de cada unidade.

A Vara do Trabalho de Caldas Novas é capitaneada pelos juízes Juliano Braga Santos (titular) e Thaís Meireles Pereira Villa Verde (auxiliar).

Para saber mais sobre o desempenho da Vara do Trabalho de Caldas Novas acesse a ata de correição aqui.

Setor de Imprensa/CCS

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.