Nono encontro do TRT para Todos reúne o maior número de participantes e encerra as atividades do projeto

O 9º encontro do projeto TRT para Todos, realizado em Goiânia nos dias 19 e 20/10, reuniu o maior de unidades e de pessoas participantes. Além de magistrados e servidores da 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Varas do Trabalho da capital, a última edição do TRT para Todos incluiu também servidores do Juízo Auxiliar de Execução (JAE) e do Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (Cejusc), totalizando 100 inscritos.

Depois de dois dias de intensas trocas de conhecimento, experiências e boas práticas, as opiniões dos coordenadores do evento e de participantes evidenciaram a aprovação dessa iniciativa tomada pela atual gestão do TRT18 de promover, com esse projeto, a aproximação da Administração com magistrados e servidores, principalmente aqueles lotados no interior.

Secretária de Gestão Estratégica, Maria José de Lourdes: “Só tenho gratidão por tudo o que foi realizado”

A secretária de Gestão Estratégica do Tribunal, Maria José de Lourdes, avaliou os encontros como muito positivos, as pessoas gostaram bastante, a integração foi total, o desdobramento da estratégia fluiu naturalmente, a troca de ideias e de boas práticas foi excelente. “Encerramos os eventos deste ano com muita satisfação porque as pessoas realmente acreditaram e participaram do projeto, estão felizes com a atitude do Tribunal e é muito gratificante ter coordenado esses encontros. Conheci pessoas e colegas maravilhosos, os quais eu não conheceria se não fosse por meio desses eventos. Enfim, só tenho gratidão pelo que foi realizado”, comemorou.

Diretor-geral do TRT, Ricardo Lucena, ressaltou que as avaliações dos participantes provam o sucesso do TRT para Todos

O diretor-geral do TRT, Ricardo Lucena, participou de quase todos os encontros do TRT para Todos e ressaltou que a Administração foi agradavelmente surpreendida com o resultado dos eventos. “Foi muito melhor do que se imaginava no início. Prova disso são as avaliações feitas ao fim dos encontros”, afirmou. Segundo ele, na 8ª edição, realizada em Anápolis no início deste mês, as avaliações “bom” e “ótimo” ficaram em 97%. “Quero aproveitar a ocasião para elogiar e fazer o reconhecimento dos esforços da Maria José e da equipe dela porque o TRT para Todos tem sido o grande sucesso desta gestão”, destacou.

“O distanciamento entre a Administração e os servidores, principalmente os do interior, era uma queixa recorrente”, disse Ricardo Lucena. Ele ainda ressaltou que uma pesquisa de clima organizacional feita em 2016 revelou que 30% dos servidores sentiam que não existiam para o Tribunal. “Isso assustou a Administração e o desembargador Breno colocou como prioridade da gestão dele promover essa integração”, observou.

Luciano Lima, da 1ª VT de Goiânia

O servidor Luciano Lima, da 1ª VT de Goiânia, avaliou que o evento foi muito válido. “Acho que o objetivo de promover a integração entre magistrados, servidores e a alta Administração foi alcançado, mas esse esforço deve ser contínuo”, opinou. Ele disse acreditar que o conhecimento de boas práticas adotadas pelas varas e a troca de experiências contribuirão para seu desempenho profissional.

Servidoras Carolina Cavalcanti e Fernanda Strengari (terceira e quarta da esquerda para a direita) com colegas da 2ª VT de Goiânia

As servidoras Fernanda Strengari e Carolina Cavalcanti, ambas da 2ª VT da capital, também avaliaram positivamente o encontro. “Gostei muito da palestra do desembargador Paulo Pimenta sobre as metas para o Judiciário. É bom saber como elas são medidas e ter um feedback do nosso trabalho. O evento me motivou a melhorar a produtividade, sem falar na sensação de pertencimento, que é muito importante”, ressaltou Fernanda. Carolina, que faz trabalho remoto, também destacou como muito válida a troca de experiências com os colegas e a aproximação com as demais varas e magistrados.

Primeiro dia

Desembargador Platon Filho participou da abertura do evento

Na quinta-feira (19/10), a secretária de Gestão Estratégica, Maria José de Lourdes, abriu evento propondo a cada um dos presentes no auditório do Fórum Trabalhista que conversasse com o colega sentado na poltrona ao lado e depois o apresentasse às demais pessoas. Em seguida, o desembargador Platon Teixeira Filho deu as boas-vindas a todos em nome do presidente do Tribunal, desembargador Breno Medeiros, que estava em Brasília, e do vice-presidente e corregedor, desembargador Paulo Pimenta, que estava em correição.

Maria José de Lourdes deu, então, continuidade à programação com uma palestra sobre planejamento estratégico e desdobramento da estratégia. Aos participantes, a grande maioria da área judiciária do TRT, ela explicou que “Planejamento Estratégico não é um bicho de sete cabeças. É uma ferramenta de gestão que vai ajudar a instituição a alcançar seus objetivos”. Ela expôs ainda conceitos como missão, visão, valores e objetivos estratégicos, relacionando-os ao TRT18.

Ao exibir em um telão o mapa estratégico do Tribunal para o período 2015/2020, Maria José acrescentou que a atual administração, ao construir o mapa tático do biênio 2017/2019, priorizou objetivos estratégicos divididos em dois eixos, o humano e o processual, conforme estabelecido no Plano de Gestão Pessoas e Processos. Ela acrescentou que é preciso traçar planos de execução para o alcance desses objetivos e que cada um ali presente, no nível operacional, faz um trabalho de formiguinha para a execução das ações.

Participantes recebem orientação da servidora Wanice Quixabeira sobre a elaboração do plano de ação

Após a palestra, os participantes foram divididos em grupos, obedecendo às cores de lápis recebidos no início do evento. Nessa primeira dinâmica de grupo, que misturou pessoas de varas diferentes, os servidores puderam conhecer colegas de outras unidades e trocar experiências sobre o trabalho. Depois, novos grupos foram formados, reunindo apenas servidores de mesma lotação para a construção de um plano de ação da respectiva unidade. Servidores da equipe de apoio da SGE auxiliaram na atividade.

Ana Cláudia Costa: “Expectativa correspondida”

Logo após a construção dos planos, a servidora Ana Cláudia Costa, da 5ª VT de Goiânia, afirmou que expectativa dela em relação ao encontro era muito alta e estava sendo correspondida. “Estou adorando. É um projeto bem planejado. Tenho 15 anos de serviço no TRT e já não conheço muitas pessoas aqui. Essa integração está sendo ótima”, avaliou.

Antônio Gonçalves: “Contribuição dos servidores da 4ª VT foi real e sincera”

Antônio Gonçalves Neto, diretor da 4ª VT da capital, aprovou a aproximação com outras varas. Isso, para ele, propicia uma interação profícua, fazendo com que os servidores se conheçam e se integrem mais em prol da unidade como um todo. Ele avaliou que, durante a construção do plano de ação, a contribuição da equipe da vara foi real e sincera. “Situações antes não colocadas foram expostas e cabe-nos, enquanto gestor, estarmos atentos a essas críticas no sentido de nos aprimorarmos constantemente”, relatou.

Juiz Eduardo Thon, da 6ª VT de Goiânia, disse que a reunião em grupo foi um verdadeiro “brainstorm”

O juiz auxiliar da 6ª VT de Goiânia, Eduardo Thon, disse que a impressão dele no primeiro dia de evento foi muito positiva. “Essa segunda parte da dinâmica, quando nos reunimos com os servidores da vara, foi um verdadeiro brainstorm porque nós encontramos aqui várias soluções que já vão ser aplicadas a curto prazo. Tivemos a oportunidade de discutir os efeitos da reforma trabalhista sobre várias fases processuais e traçar rumos para enfrentar essa nova realidade. Eu achei esse primeiro dia excepcional”, declarou.

O magistrado fez apenas uma observação quanto à reunião de pessoas de unidades diferentes ao redor de uma mesa, que foi a primeira parte da dinâmica de grupo. “No início, foi preciso quebrar o gelo e acho que gastamos muito tempo nesse processo de aproximação. Se tivesse um facilitador em cada mesa, acho que teríamos tido mais trocas de experiências”, comentou.

Depois de finalizados os planos de ação de suas unidades, os servidores se reuniram por lotação para as fotos do tradicional grito de guerra e, mais tarde, participaram de um happy-hour de confraternização.

Segundo dia

Presidente do TRT, Breno Medeiros, ressaltou que as pessoas são o capital mais importante da instituição

O presidente do TRT, desembargador Breno Medeiros, abriu a programação do segundo dia do encontro. Ele iniciou a conversa com os servidores e magistrados citando uma homenagem prestada por ele e pela presidente do STJ, ministra Laurita Vaz, ao servidor Miguel Augusto Fonseca de Campos, que foi diretor-geral de vários tribunais superiores. Breno ressaltou que Miguel sempre foi uma pessoa acessível e recebia todos os servidores que o procuravam, empenhando-se para resolver os problemas deles o mais rápido possível.

Tendo o homenageado como exemplo, o presidente do TRT enfatizou que os servidores e magistrados do Regional goiano têm de ser acessíveis. “O gestor tem de ser um servidor em todos os sentidos da palavra. Ele tem que ser a pessoa que vai auxiliar aquele que está com problemas. A nossa gestão coloca exatamente isso, pessoas e processos. Por que pessoas antes de processos? Porque as pessoas são o capital mais importante de uma instituição, elas fazem a instituição. Vocês aqui estão em contato direto com o jurisdicionado e são a cara do Tribunal!”, frisou.

Breno Medeiros citou medidas tomadas pela atual gestão para facilitar o trabalho dos servidores, como na área de Tecnologia da Informação, cuja prioridade passou a ser o atendimento rápido. O presidente também mencionou a criação da Secretaria de Gerenciamento do PJe e as mudanças feitas na Secretaria de Gestão de Pessoas, em especial a diminuição da burocracia para servidoras gestantes requererem seus direitos. “Nós temos que fazer tudo para que vocês tenham a melhor qualidade de vida aqui para que, trabalhando felizes e sabendo que fazem parte de um Tribunal que é um dos melhores do país, vocês repassem essa boa imagem ao jurisdicionado”, declarou.

Ele continuou dizendo que o TRT cresceu muito nos últimos anos e que as pessoas não se conhecem mais. “Se você não conhece as pessoas, você conhece o quê? O Sisdoc e o PJe. Se você não conhece o colega que está ao lado ou o que está recebendo o seu serviço, você vai julgá-lo só com base em critérios objetivos e pode acabar sendo injusto com ele. Talvez aquela pessoa não tenha feito o serviço dela porque ela também é um ser humano e pode ter tido um problema de saúde na família”, exemplificou. O presidente finalizou ressaltando que é preciso ser solidário com o outro.

Aproveitando o tema solidariedade, Breno Medeiros apresentou aos participantes do evento o projeto TRT Voluntário, por meio do qual o Tribunal, mediante o recolhimento de doações em dinheiro dos servidores, ajudou a reformar a ala pediátrica do Hospital Araújo Jorge. “Muitos não têm conhecimento dessa ação. Era um programa informal do nosso Tribunal e, desde julho, por meio de uma portaria, nós regulamentamos essa atividade dando maior credibilidade e certeza aos servidores de que os valores descontados em seus contracheques são realmente revertidos em prol do hospital. Também aumentamos o valor das contribuições e conseguimos incrementar o número de doações. Nossa intenção é conseguirmos construir uma UTI pediátrica”.

Breno Medeiros lançou o Bom dia TRT durante o encontro de magistrados e servidores

Em seguida, Breno Medeiros lançou o “Bom dia TRT”. A ferramenta de comunicação com o público interno reúne, em uma mesma janela aberta na área de trabalho dos computadores, as informações essenciais para o servidor ter conhecimento do que está acontecendo no Tribunal, nas áreas e unidades específicas. Leia mais sobre isso aqui.

Lara Nercessian proferiu palestra sobre sustentabilidade

Também no segundo dia de evento, os participantes puderam assistir a uma palestra da servidora Lara Nercessian, chefe da Seção de Responsabilidade Socioambiental do Tribunal. Ela falou sobre o Plano de Logística Sustentável do TRT18 para o período 2017/2020. O plano tem 13 eixos temáticos, por meio dos quais o Regional monitora e desenvolve ações para otimizar e reduzir o uso de papel, copos descartáveis, impressão de documentos e equipamentos instalados, energia elétrica, água e esgoto, vigilância, telefonia, limpeza, combustível e veículos, bem como para o aprimoramento da gestão de resíduos, de reformas físicas, da capacitação e da qualidade de vida de servidores.

Lara comentou sobre megatendências e práticas sustentáveis adotadas por vários países, como a geração de energia solar e mostrou que o TRT também está aderindo a essas megatendências. “Temos um projeto-piloto de energia solar no teto do Fórum Trabalhista, onde foram instaladas 24 placas fotovoltáicas para captação dessa energia. O projeto foi tão bem-sucedido que a próxima etapa é instalar 220 placas na nova etapa do Complexo Trabalhista. E, como o Tribunal tem visão de futuro, nós seremos independentes um dia em questão de energia”, explicou.

Ela também ressaltou que o futuro da economia é compartilhar, citando as empresas Uber e Airbnb, que atuam no mercado mundial de transporte de pessoas e hospedagem. “E como isso chega ao nosso Tribunal? Estamos adotando o conceito de compartilhamento, por exemplo, na utilização de equipamentos de impressão, que são serviços terceirizados. Fizemos uma readequação do número de equipamentos e já conseguimos reduzir bastante os gastos.

Atualmente, 53 servidores da Secretaria de Gestão de Pessoas, por exemplo, compartilham quatro impressoras e mais uma será retirada em breve. Houve reclamações no início, mas as pessoas se adaptaram à nova realidade e o trabalho não parou”, contou.

Secretário-geral Judiciário, Cleber Ferreira, apresentou um resumo das boas práticas selecionadas

Na tarde de sexta-feira, o secretário-geral Judiciário do TRT, Cleber Ferreira, apresentou resumidamente as sete boas práticas que concorrem aos prêmios do Concurso de Boas Práticas da Justiça do Trabalho goiana. A premiação acontecerá no dia 17/11 no evento Celebra TRT, festa de confraternização de magistrados e servidores.

Receberão prêmios em dinheiro as três Varas do Trabalho que tiverem adotado as melhores iniciativas para o alcance de resultados positivos quanto à maior celeridade e efetividade da prestação jurisdicional, estímulo à conciliação, melhoria dos processos de trabalho, atingimento das metas estratégicas, entre outros critérios.

Uma comissão de avaliação examinará cada uma delas e elegerá as três melhores boas práticas. Integram a comissão Cleber Ferreira, o desembargador Paulo Pimenta, a secretária de Gestão Estratégica Maria José de Lourdes, o secretário da Corregedoria Marcelo Marques, o secretário-geral da Presidência, Pedro Horácio Assis, e o desembargador-presidente do TRT Breno Medeiros, que fará o desempate se necessário. Clique aqui para conhecer as boas práticas selecionadas.

Metas do CNJ

Desembargador Paulo Pimenta falou sobre as Metas do CNJ

O encontro continuou com a palestra do vice-presidente e corregedor do TRT18, desembargador Paulo Pimenta. A apresentação dele teve como foco as metas definidas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para o Poder Judiciário e para a Justiça Trabalhista. O desembargador-corregedor esclareceu que essas metas têm de ser encaradas como um instrumento de gestão. De acordo com ele, elas não podem e não devem ser causa de apreensão, não devem ser um fim em si mesmo. “As metas servem para direcionar as nossas atividades ao longo do ano e são importantes para a definição do nosso orçamento”, acrescentou.

Ao falar da aplicabilidade prática e da relevância dessas metas, ele as associou à dinâmica da qual os servidores e magistrados puderam participar no dia anterior, que foi a atividade de desdobramento da estratégia. Paulo Pimenta ainda comentou, por meio de planilhas, a situação específica das varas participantes do encontro no desempenho das metas do CNJ.

O corregedor disse acreditar “piamente” que o TRT de Goiás conseguirá cumprir pelo menos cinco das sete metas este ano e tem chance real de cumprir a que diz respeito à conciliação. “Estamos bem na fita em relação aos demais tribunais de mesmo porte e de mesma movimentação processual que o nosso”, afirmou.

Ao fim da palestra de Paulo Pimenta, a secretária de Gestão Estratégica abriu espaço para que os servidores pudessem se manifestar sobre assuntos diversos relacionados ao trabalho no TRT18. Vários participantes se valeram desse momento para apresentar críticas e sugestões, que foram recebidas e respondidas pelos gestores de diversas áreas que estavam presentes no encontro.

O evento foi encerrado por volta das 16 horas com a última dinâmica de grupo. Os participantes se sentaram em cadeiras dispostas em forma de círculo e escreveram suas avaliações em pedaços de papel, que foram colocados dentro de balões. Eles foram jogados para o alto e misturados. Cada servidor pegou um balão e, depois de estourá-lo, leu a avaliação que o colega fez do nono e último encontro do TRT para Todos.

Wendel Franco (texto) e Maurício Pimentel (fotos)
Seção de Imprensa-CCS

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.