Justiça do Trabalho em Goiás reduz gastos após adoção de medidas sustentáveis

Facebooktwitteryoutubeinstagram

O Dia Mundial do Meio Ambiente é celebrado nesta sexta-feira, 5 de junho, e a cada ano traz uma reflexão importante sobre o que podemos fazer para a sustentabilidade do nosso planeta. A Justiça do Trabalho brasileira não se exime dessa reflexão e, por isso, está empenhada na promoção de ações que protejam o meio ambiente, diminuam o impacto do consumo no provimento de recursos naturais e proporcionem economia de dinheiro público, especialmente num contexto de cortes orçamentários.

No Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (Goiás), as ações voltadas para a responsabilidade socioambiental e sustentabilidade no período entre os anos de 2015 e 2019 já trouxeram bons índices de economia de recursos como papel, água e energia elétrica. O percentual de redução mais expressivo – 52,48% – foi atingido no consumo de copos descartáveis, cujo tempo de decomposição pode durar de 50 a 400 anos. O Tribunal adotou o uso de copos duráveis, como os fabricados em vidro.

O consumo de papel foi reduzido em 48,15%, obtido com o controle de impressões e a tramitação eletrônica dos processos judiciais. O TRT de Goiás está entre os Tribunais que tem 100% dos seus processos tramitando no Processo Judicial Eletrônico (PJe). O gasto com energia elétrica caiu 24,32% após a adoção de novo horário de funcionamento, a captação de energia fotovoltaica e o uso de lâmpadas de LED.

A redução do consumo de água em 32% foi possível com o monitoramento do gasto desse bem natural e com a instalação de dispositivos economizadores em torneiras e descargas de vasos sanitários. Destaca-se, ainda  a queda expressiva no gasto com telefonia fixa (26,12%) e móvel (57,95%).

Avaliação
Os dados apresentados nesta matéria demonstram o consumo de 2019 comparado a 2015, que é o ano-base de medição das metas do Plano de Logística Sustentável.

A responsável pela Gerência de Responsabilidade Socioambiental da Secretaria-Geral de Governança e Estratégia do TRT-18, Lara Nercessian, avalia que em 2019 os bens e serviços continuaram sendo usados com racionalidade no âmbito do Tribunal, com redução em boa parte dos indicadores e estabilidade em outros.

A gerente lembrou que essas ocorrências estão em conformidade com as metas estabelecidas no Plano de Logística Sustentável da 18ª Região, que previu para 2019 um ano de eficiência nos gastos públicos, alcançada em 2017 e mantida em 2018.

A ampliação do trabalho remoto para magistrados e servidores e a suspensão do atendimento presencial nas unidades do TRT goiano em decorrência da pandemia da covid-19 certamente trarão uma significativa redução no consumo desses bens e insumos ao se comparar os anos de 2020 e 2019. “Estão em análise os efeitos do isolamento social e do trabalho remoto, sobretudo quando se observa forte redução nos indicadores como papel, impressões, energia, água e combustível a partir de abril de 2020, com alguns deles perto do consumo zero. Esse dados merecerão estudos mais detalhados para a adoção de medidas para o futuro”, finalizou Lara Nercessian.

Sustentabilidade na JT
O Portal de Sustentabilidade do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) fornece mais informações sobre sustentabilidade na Justiça do Trabalho brasileira. No endereço bit.ly/JTsustentavel é possível conferir guias de contratações sustentáveis, dados da Política Nacional de Responsabilidade Socioambiental da JT e a relação de iniciativas dessa Justiça especializada.

Sobre o 5 de junho
Em 1972, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o Dia Mundial do Meio Ambiente, que passou a ser comemorado todo dia 5 de junho. Essa data, que foi escolhida para coincidir com a data de realização dessa conferência, tem como objetivo principal chamar a atenção de todas as esferas da população para os problemas ambientais e para a importância da preservação dos recursos naturais, que até então eram considerados, por muitos, inesgotáveis.

Nessa conferência, que ficou conhecida como Conferência de Estocolmo, iniciou-se uma mudança no modo de ver e tratar as questões ambientais ao redor do mundo, além de serem estabelecidos princípios para orientar a política ambiental em todo o planeta.

Setor de Imprensa/TRT-18 com informações do site Brasil Escola/UOL

Facebooktwitter

Esta matéria tem cunho meramente informativo, sem caráter oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Coordenadoria de Comunicação Social
Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região
comunicacao@trt18.jus.br

Esta entrada foi publicada em Gestão Estratégica, Notícias, TRT18 e marcada com a tag , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.