Redução do consumo de energia elétrica no TRT18 supera o estimado para o primeiro semestre de 2016

consumo-de-energiaMedidas adotadas pelo Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (Goiás) para racionalizar o uso de energia elétrica em suas unidades judiciárias e administrativas proporcionaram resultados além da expectativa, na comparação entre o primeiro semestre de 2016 e igual período de 2015. As ações estratégicas implementadas pelo TRT18 renderam uma redução de 19% no consumo de energia, valor bem acima da meta que era de 5%. Traduzindo-se em valores, o Tribunal já conseguiu economizar R$ 344.000,00, e estima-se economia de R$ 700.000,00 para este e para os demais exercícios financeiros. O Escritório de Projetos da Secretaria de Gestão Estratégica do TRT comemora os resultados, principalmente neste momento crítico enfrentado pela Justiça do Trabalho goiana, que perdeu 30% de suas verbas de custeio no orçamento de 2016.

As ações implementadas foram estabelecidas no projeto “Aplicação de Medidas para Racionalização do Uso de Energia no TRT18”, gerenciado pelo servidor Alexandre Rosa da Silva. O projeto foi criado para atender a Resolução 201/2015 do Conselho Nacional de Justiça, que determinada que os órgãos do Poder Judiciário deverão adotar práticas de racionalização e ações que tenham como objetivo a melhoria da qualidade do gasto público e o aperfeiçoamento contínuo na gestão dos processos de trabalho. O documento do CNJ determina também que as unidades ou núcleos socioambientais, em interatividade com as áreas envolvidas direta ou indiretamente com as contratações e ao planejamento estratégico, deverão fomentar a inclusão de práticas de sustentabilidade, racionalização e consumo consciente, considerando a visão sistêmica do órgão.

IMG_3866 (Copy)

Servidores Alexandre Silva e Leandro Oliveira

Diante da resolução, os servidores Alexandre e Leandro Cândido Oliveira, que à época do desenvolvimento do projeto era coordenador de Manutenção e Projetos, levantaram uma série de medidas para otimizar o uso de energia elétrica, todas buscando, de alguma forma, a redução do consumo nas unidades do Tribunal.

Entre elas, o reenquadramento tarifário e determinação da demanda contratual em função dos padrões de consumo e demanda nos últimos 24 meses; automação do controle da iluminação interna do Fórum Trabalhista; instalação de sensores de presença nos banheiros; adequação do período de funcionamento do Chiller (equipamento responsável pela refrigeração do Fórum Trabalhista); aquisição de grupo gerador para propiciar o funcionamento integral do Fórum em caso de falta de energia elétrica e, também, substituir o fornecimento da Celg no horário de ponta (das 18 às 21 horas), quando o custo do quilowatt-hora (Kw/h) é o triplo da tarifa normal; readequação da configuração dos transformadores elétricos do Fórum; racionalização da utilização dos elevadores; instalação de sensores fotoelétricos nas áreas comuns dos edifícios Ialba-Luza e Fórum Trabalhista.

No entanto, com o contingenciamento orçamentário, não foi possível implementar todas as ações planejadas. Foram suprimidas a instalação de sensores de presença nos banheiros e a readequação da configuração dos transformadores. Quanto ao Grupo Gerador, ele será tratado em projeto futuro, em conjunto com o projeto da rede estabilizada.
Mesmo com as adversidades financeiras, o resultado alcançado após o encerramento do projeto superou a expectativa. Veja abaixo os percentuais alcançados, comparando-se as faturas dos seis primeiros meses de 2016 a igual período de 2015:

Seção de Imprensa-DCSC (com informações do Escritório de Projetos da Secretaria de Gestão Estratégica)

Esta entrada foi publicada em Gestão, Notícias e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.