Histórico do Plano Estratégico

A elaboração do plano estratégico do Tribunal (2010 – 2014) foi realizada no final do ano 2009, atendendo, assim, a meta estabelecida pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ.

Durante o ano 2011, paralelamente à execução do planejamento em vigor, o Tribunal trabalhou buscando estruturar a área de planejamento e gestão, informatizar as medições de alguns indicadores e analisar minuciosamente o cenário interno.

Para viabilizar essa análise, foram realizadas a pesquisa de clima organizacional, com a participação de quase 80% dos servidores do Tribunal, e a Pesquisa de Qualidade de Vida e Bem-Estar, respondida por 60% de magistrados e servidores. Com isso, um novo cenário interno foi desenhado.

Verificou-se que os cenários interno e externo sofreram mudanças bastante significativas e a maturidade dos membros do Tribunal quanto ao planejamento estratégico acompanhou o ritmo das mudanças.

Diante desse contexto e considerando a necessidade de envolver o Tribunal Pleno com o planejamento estratégico a fim de assegurar a continuidade dos projetos e programas dentro de uma concepção estratégica e participativa, o Comitê Gestor do Planejamento Estratégico do Tribunal deliberou pela evolução do plano estratégico do Órgão, em reuniões realizadas nos dias 02 de setembro de 2011 e 16 de fevereiro de 2012.

O Comitê Gestor do Planejamento Estratégico foi instituído pela RA-24/2011 e tem as atribuições de acompanhar e avaliar a execução do planejamento estratégico, discutir e deliberar acerca dos projetos estratégicos e revisar, periodicamente, os objetivos e metas propostos.

Conforme deliberação do Comitê Gestor, a evolução do plano estratégico foi realizada em oito etapas, quais sejam:

– reanálise da missão e da visão pelos Desembargadores e Comitê Gestor do Planejamento Estratégico;

– vista para manifestação da AMATRA e da ASJUSTEGO;

– aprovação da missão e da visão pelo Tribunal Pleno;

– análise de cenário e revisão dos objetivos estratégicos pelos magistrados, diretores, assessores e suas respectivas equipes;

– aprovação da etapa anterior pelo Tribunal Pleno;

– revisão das metas e dos indicadores pelos magistrados de 1º grau, diretores, assessores e suas respectivas equipes;

– proposta de programas e projetos para o alcance das metas pelos magistrados de 1º grau, diretores, assessores e suas respectivas equipes;

– aprovação do plano estratégico pelo Tribunal Pleno.

ALINHAMENTO DO PLANO ESTRATÉGICO À ESTRATÉGIA JUDICIÁRIA 2020

Posteriormente, o Conselho Nacional de Justiça, considerando a necessidade de revisar o Plano Estratégico estabelecido pela Resolução CNJ nº 70/2009, instituiu a Estratégia Nacional do Poder Judiciário para o sexênio 2015/2020 – Estratégia Judiciária 2020 – por meio da Resolução nº 198/2014, a qual estabelece a obrigatoriedade de os órgãos do Judiciário alinharem seus respectivos Planos Estratégicos à Estratégia Judiciária 2020 e observarem a abrangência mínima de 6 (seis) anos.

Em novembro de 2013, no VII Encontro Nacional do Judiciário, foram aprovados os objetivos/macrodesafios do Plano Estratégico do Judiciário para o período 2015-2020, que deverão ser observados por todos os segmentos de Justiça.

Com o intuito de consolidar o Planejamento Estratégico da Justiça do Trabalho, o Conselho Superior da Justiça do Trabalho efetuou reuniões com a participação dos representantes dos Tribunais Regionais e elaborou o novo Plano Estratégico do Judiciário Trabalhista para o período de 2015 a 2020, o qual foi aprovado por meio da Resolução CSJT nº 145/2014.

Diante da aprovação do Plano Estratégico da Justiça do Trabalho e em atendimento à Resolução nº 198/2014 do CNJ, o Plano Estratégico do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região foi alinhado ao da Justiça do Trabalho e passa a vigorar para o período de 2015-2020.


Os comentários estão encerrados.