Cejusc de Goiânia recebe elogios em primeira correição realizada na unidade

Equipe do Cejusc de Goiânia com o corregedor do TRT18, desembargador Paulo Pimenta, e com o diretor de Secretaria da Corregedoria do Tribunal, Marcelo Marques

O Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (Cejusc) do Fórum Trabalhista de Goiânia passou por correição pela primeira vez desde que foi criado. Após análise dos processos e dados estatísticos de desempenho da unidade, o desembargador-corregedor do TRT18, Paulo Pimenta, classificou como muito bom o índice médio de acordos realizados pelo Cejusc para as Varas do Trabalho da
capital. O percentual atingido foi de 48,14% no período correicionado (julho de 2017 a maio de 2018).

O corregedor apurou que as atividades do Cejusc de Goiânia estão sendo bem
desempenhadas pelo juiz coordenador, Israel Adourian, e sua equipe de servidores, com estrita observância dos prazos legais e regulamentares. Ele parabenizou os integrantes do Centro pela qualidade da atividade judicial prestada, bem como pelo comprometimento e operosidade no desempenho de suas tarefas. “O Tribunal reconhece o trabalho de vocês”, elogiou, lembrando que a estrutura e a sistemática de trabalho do Cejusc impressionaram o ministro corregedor-geral da Justiça do Trabalho, Lelio Bentes, por ocasião de sua visita correicional no TRT18, no primeiro semestre deste ano.

Números

O Cejusc da capital realiza, em média, 190 audiências por dia. Durante o período correicionado, foram incluídos 26.201 processos na pauta de conciliação, dos quais 8.989 resultaram em acordo e 2.047 foram extintos, considerando no cômputo os processos de conhecimento, execução e na fase recursal. O valor total dos acordos homologados no período analisado foi de R$ 112 milhões e o percentual de conciliações foi de 32,73%, 47,75% e 51,95%, respectivamente, para as audiências iniciais, processos de execução e 2º grau.

Embora tenha reconhecido que a situação econômica vivenciada pelo país atualmente não favorece o incremento das conciliações, o desembargador Paulo Pimenta pediu à coordenação do Cejusc e aos servidores da unidade que continuem se esforçando para pacificar os conflitos submetidos à sua apreciação, objetivo precípuo da Justiça do Trabalho.

Paulo Pimenta agradeceu aos magistrados e servidores do Cejusc pela valiosa contribuição dada no desempenho do Tribunal em relação às metas nacionais e específicas fixadas pelo Conselho Nacional de Justiça em 2017 para a Justiça do Trabalho. Das 7 metas estabelecidas, o Regional goiano cumpriu 6 delas, estando, ainda, bem próximo de se cumprir a meta 3 (referente à conciliação), com grau de cumprimento aferido em 93,46%.

Recomendações

O desembargador corregedor fez duas recomendações ao Cejusc no encerramento da correição, no último dia 24. A primeira foi a adequação do número de
magistrados designados para atuar diariamente no Centro, aumentando para o
mínimo de dois, conforme recomendado pelo corregedor-geral da Justiça do
Trabalho. A outra foi no sentido de que os processos colocados em pauta no Cejusc devem ser submetidos exclusivamente ao(s) magistrado(s) escalado(s) para atuar(em) na unidade no dia da realização das audiências, preservando-se, na medida do possível, a observância ao princípio do juiz natural.

Setor de Imprensa-CCS

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.