5ª VT de Goiânia aumenta produtividade e cumpre 5 metas do CNJ, conforme apurado em correição

Equipe da 5ª VT de Goiânia com o corregedor Paulo Pimenta e o diretor de secretaria da Corregedoria, Marcelo Marques

A produtividade da 5ª Vara do Trabalho de Goiânia saltou de 95% em 2016 para 104% em 2017, conforme apurado pela Corregedoria do TRT18 na correição realizada naquela unidade na última quarta-feira, 7/3. O desembargador-corregedor Paulo Pimenta parabenizou os juízes e servidores da Vara por esse incremento na produtividade e também pelo cumprimento de 5 das 7 metas propostas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) ao primeiro grau de jurisdição no ano passado.

A unidade teve seu melhor desempenho na Meta 1 (julgar 90% dos processos de conhecimento distribuídos no ano corrente), com percentual de 115,5%, índice superior aos 95% registrados em 2016. Também foram cumpridas as Metas 2 (julgar processos mais antigos), 109,8%; 6 (priorizar o julgamento das ações coletivas), 102%; 7 (priorizar o julgamento dos processos dos maiores litigantes), 114,7%; e a meta específica (reduzir o tempo médio de duração do processo, em relação a 2016). Nesta última, o tempo médio foi aferido em 148 dias, abaixo dos 153 dias do tempo médio do primeiro grau de jurisdição do Regional em 2016.

Apesar do desempenho classificado de “muito bom” pelo corregedor, ele mostrou preocupação com o aumento do prazo médio de duração dos processos submetidos ao rito ordinário que, neste exercício, já começa a comprometer o atingimento da meta específica da Justiça do Trabalho. Por esse motivo, ele pediu aos magistrados titular, João Rodrigues Pereira, e auxiliar, Girlene de Castro Almeida, que envidem os esforços necessários para reduzir esse prazo para patamares inferiores a 180 dias.

Corregedor Paulo Pimenta com o juiz João Pereira e o diretor de secretaria da 5ª VT Marcelo Tertuliano

Na reunião de encerramento da correição, o corregedor Paulo Pimenta ressaltou que a equipe da Vara fez a parte dela em relação à Meta 5, relacionada às execuções. No entanto, o cumprimento da meta foi frustrado porque, segundo informou o diretor de secretaria Marcelo Tertuliano, as guias de depósitos recolhidas em dezembro passado só foram devolvidas pela Caixa Econômica Federal à secretaria da VT em janeiro deste ano.

“Considero vocês uma Vara Selo Prata”, destacou o corregedor, apesar de a unidade não ter recebido essa premiação no último dia 2, quando foram premiadas, em quatro categorias, as unidades que cumpriram metas do CNJ em 2017. A outra meta não cumprida pela 5ª VT no ano passado foi a 3, que diz respeito ao aumento de casos solucionados por conciliação.

Da esquerda para a direita: juiz João Pereira (titular), juíza Girlene Almeida (auxiliar) e o desembargador-corregedor Paulo Pimenta

Paulo Pimenta também ressaltou que as atividades da secretaria da Vara estão sendo bem desempenhadas pela sua equipe de servidores, com regular impulsionamento dos processos e observância dos prazos legais. Em razão disso, o corregedor parabenizou toda a equipe de servidores, na pessoa do diretor Marcelo Tertuliano da Silva, pelo comprometimento e operosidade no desempenho de suas tarefas.

Ao fim da correição, o juiz titular João Rodrigues Pereira agradeceu à juíza auxiliar e a todos os servidores da secretaria pelos resultados positivos aferidos na visita correcional. O magistrado solicitou que os elogios sejam registrados nos assentamentos funcionais dos servidores e da juíza Girlene.

Setor de Imprensa-CCS

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.